19 de mai de 2010

a risada, e o veneno.



E por mais que eu desperdice minhas palavras tentando impedir suas atitudes fúteis, eu tento e não consigo achar o motivo por que ainda estou com você. Apesar de meu coração doer e despedaçar, ultimamente isso me deixou insignificantemente mais forte. Chorar já não alivia, gritar já não ameniza. Meu coração se acostumou, mais ou menos uma dor, são apenas consequências do meu medo. Me atormenta ligeiramente pensar em esquecer você, por mais que eu queira, por mais que eu tente, por mais que seja quase impossivel, eu ainda tenho esperanças de uma dia olhar pra você, e apenas olhar. Não sentir minha alma gritar de dor, não sentir meu corpo arrepiar friamente e minhas pernas ficarem bambas e frágeis rapidamente. Queria eu apenas olhar, abaixar os olhos e seguir em frente, sem ao menos pensar: ‘esta foi a pessoa que eu mais amei na vida..’ nem me morder de vontades de voltar, te olhar e gritar bem alto, aos léus que eu amo você. Queria eu deitar em minha cama, olhar para o céu pela janela no meu quarto, contar estrelas e não deixar cair uma lágrima destinada á voce. Queria eu poder dizer que está tudo bem, que está tudo lindo, e que não ligo nem um pouco, reação á tal pergunta idiota. Não, eu não me sinto bem, e não esta tudo lindo como deveria. E o motivo tem nome e sobrenome, tem pernas, boca e coração. Mais não preciso disso, não preciso jogar na sua cara que a culpa é sua, que é voce que me faz mal, quando deveria me fazer feliz todos os dias da minha vida, como você prometeu. Prometer não é uma atitude ética, quando a promessa esta vindo de voce. Prometer é jurar, dar uma garantia, ter como referencia. Prometer e não cumprir, é trapaça. É dor, é sofrimento. É amor não correspondido, é perder tempo escrevendo um texto que você nem sonha que existe, nem pretende ler. Talvez depois de que ele escorregue por baixo da sua porta, você veja, entenda, leia e sinta um pouco da dor, que esta estampada em cada palavra desse refrão, e talvez seja tarde de mais

‘ você bate em minha porta, e ninguém atende. Entra rapidamente pela janela do meu quarto e me encontra, sentada, paralizada. Na minha mão uma foto sua, e na outra um pote de veneno.. como pode acontecer assim? 

2 comentários:

Kelly Spínola disse...

quee Peeeeerfeito !

Cynthia Brito disse...

Perfeitãoooo *--*

Postar um comentário