28 de out de 2009

Dor, dolorida dor.




Às vezes é preciso recolher-se. O coração não quer obedecer, poucas vezes se aquieta; a ansiedade toma conta, o tempo todo. Ficamos sem falar, sem pensar, sem agir. É um começo de sabedoria, e dói. Dói controlar o pensamento, dói abafar o sentimento, além de ser doloroso parece pobre, triste e sem sentido. Amar era tão infinitamente melhor; curtir quem hoje se ausenta era tão imensamente mais rico. Não queremos escutar essa lição da vida, amadurecer parece algo sombrio, definitivo e assustador. Mas às vezes aquietar-se e esperar que o amor do outro nos descubra nesta praia isolada é só o que nos resta. Entramos no casulo fabricado com tanta dificuldade, e ficamos quase sem sonhar. Quem nos vê nos julga alheados, quem já não nos escuta pensa que ficamos mudos para sempre, e a gente mesmo às vezes desconfia de que nunca mais será capaz de nada claro, alegre e feliz. Não importa quanto tempo já se passou: eu sou a mesma, o amor é o mesmo, e a esperança (...)

0 comentários:

Postar um comentário